jusbrasil.com.br
17 de Setembro de 2019

Pensar diferente ficou perigoso

“O que faz um jardim são os pensamentos do jardineiro. Oque faz um povo são os pensamentos daqueles que o compõem (RUBEM ALVES)”

Elson Araujo, Estudante
Publicado por Elson Araujo
há 4 meses

Nunca pensar diferente e externar o pensar foi cercado de tanta “patrulha”. Tal patrulhamento, com viés ideológico ou não, tem resultado numa perigosa “avenida de intolerância e ódio” que hoje se constitui numa ameaça não só à paz mundial mas à sanidade das pessoas.

No mundo o clima de intolerância e de ódio só se agrava, vide o recente atentado contra os cristãos do Sri Lanka. Foram mais de 300 mortes, segundo as agências de notícias.

Contaminado pelo mesmo vírus o Brasil caminha para uma verdadeira Babel. Ninguém se entende. Há uma guerra declarada contra o pensar livre no País e, por conta disso, corre-se o risco de um “apagão” na circulação do conhecimento e de ideias. A comunicação só flui até o momento em que há alguma convergência de pensamentos.

O fato é que pensar e dar voz a este fica a cada dia mais perigoso. Só não é perigoso quando tal exercício ocorre, como já mencionado, na “ zona de conforto” dos seus, com direito apenas a teses. Nada de sínteses ou antíteses. Ideias ou pensamentos outsiders não são bem-vindos.

O ato de divergir, opinar e pensar diferente logo vira confusão. Ainda bem que no País ainda não houve nenhum atentado da dimensão do Sri Lanka mas, diariamente, já se percebe - nas trincheiras das redes sociais – um clima permanente de beligerância entre as várias correntes de pensamento e opiniões.

Estaríamos vivendo o fim do contraditório?

Trata-se de uma situação gravíssima uma vez que quando todo mundo acha que tem razão, e que a verdade verdadeira é a sua, a barreira do respeito e da tolerância tende a desaparecer e assim nasce o ódio mútuo, e o caos se estabelece. Aos olhos de todos uma crescente contradição: o mundo evolui tecnologicamente ao passo que o ser humano entra num processo contínuo de involução nas suas relações sociais.

Sobre o avanço dos discursos de ódio, hoje amplificado pelas redes sociais, a romancista, ensaísta e roteirista polonesa Olga Tokarczuk, em recente artigo sobre a realidade atual do seu País, asseverou um ponto de vista que também reflete o que ocorre hoje no Planeta. Segundo ela “ Em uma sociedade sadia e normal as pessoas podem discordar, podem até ter pontos de vista diametralmente opostas, e isso não significa de maneira alguma que precisem odiar umas às outras. Mas as autoridades fizeram da divisão dos poloneses sua tarefa primordial”

Na Polônia o discurso de ódio ganhou tanta força que em Janeiro deste ano o prefeito de Gdansk, Pawel Adamowicz –de orientação humanista– foi assassinado por um extremista diante das câmeras de TV. O crime foi transmitido ao vivo no horário nobre sob o olhar de milhões de pessoas deixando o País e o mundo chocados.

Foi na Polônia, mas poderia ocorrer no Brasil ou qualquer outra nação, onde o discurso de ódio e da intolerância vem se tornando uma regra.

A graça do ser humano reside no fato de, independentemente de qualquer provocação acadêmica, ser chamado a pensar, a refletir seus mundos e suas vivências a partir dos elementos que conseguem apreender com a observação daquilo que direta ou indiretamente o afeta, não só individual mas coletivamente.

Como reflete o educador, escritor, psicanalista e filósofo Rubem Alves logo no início do texto “O que faz um jardim são os pensamentos do jardineiro. O que faz um povo são os pensamentos daqueles que o compõem”. E se navegar é preciso, como diria o famoso poeta português Fernando Pessoa, pensar também é. Sem o pensamento crítico, sem o debate de ideias, sem o contraditório, o barco tende a se perder ou afundar sem que ninguém se salve

Reagir a isso aí, é preciso!!

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)